10
Set 10

 

 

'Eu não sirvo de exemplo para nada, mas, se você quer saber se isso é possível, me ofereço como piloto de testes.. Sou a Miss Imperfeita, muito prazer. A imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe, filha e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado,  decido o cardápio das refeições, cuido dos filhos, marido, telefono sempre para minha mãe, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de emails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos e ainda faço as unhas e depilação!

 

E, entre uma coisa e outra, leio livros.

 

Portanto, sou ocupada, mas não uma workholic.

 

Por mais disciplinada e responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.

 

Primeiro: a dizer NÃO.

 

Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO. Culpa por nada, aliás.

 

Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.

 

Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros.

 

Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.

 

Você não é Nossa Senhora.

 

Você é, humildemente, uma mulher.

 

E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante. Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo.

 

Tempo para fazer nada.

 

Tempo para fazer tudo.

 

Tempo para dançar sozinha na sala.

 

Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.

 

Tempo para sumir dois dias com seu amor. Três dias!! Cinco dias!!!!!!!!!!

 

Tempo para uma massagem. Bom!!!!

 

Tempo para ver a novela.

 

Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza.

 

Tempo para fazer um trabalho voluntário.

 

Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto.

 

Tempo para conhecer outras pessoas.

 

Voltar a estudar.

 

Para engravidar.

 

Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado.

 

Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.

 

Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal.

 

Existir, a que será que se destina?

 

Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.

 

A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem.

 

Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si.

 

Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!

 

Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.

Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir. Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.

 

Desacelerar tem um custo. Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M..A.C.

Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.

 

E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante'

 

Martha Medeiros - Jornalista e escritora

(Texto na Revista do Jornal O Globo)

 

publicado por momentoskatia às 19:18

 

Se não quiser adoecer - "Fale de seus sentimentos"
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam

em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna. Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer. Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados. O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

 

Se não quiser adoecer - "Tome decisão"
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

 

Se não quiser adoecer - "Busque soluções"
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

 

Se não quiser adoecer - "Não viva de aparências"
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a
impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho
etc., está acumulando toneladas de peso... uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

 

Se não quiser adoecer - "Aceite-se"
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com
que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de
uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.

 

Se não quiser adoecer - "Confie"
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

 

Se não quiser adoecer - "Não viva sempre triste"
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o
ambiente em que vive.
"O bom humor nos salva das mãos do doutor"
Alegria é saúde e terapia

 

(Dr. Dráuzio Varella)

 

"Alimente o corpo para hoje... Alimente o espírito para a eternidade"

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0 

 

publicado por momentoskatia às 19:11

 

Um homem chamado Mogo, costumava olhar o Natal como uma festa sem o menor sentido.
Ele era um homem bom. Tinha uma família, procurava ajudar ao próximo, e era honesto nos seus negócios.  Entretanto, não podia admitir que as pessoas fossem tão ingênuas a ponto de acreditar que um Deus havia descido à terra só para consolar os homens.

Sendo uma pessoa de princípios, não tinha medo de dizer a todos que o natal, além de ser mais triste que alegre, também estava baseado numa história irreal, um Deus se transformando em homem.

Na véspera do natal, sua esposa e seus filhos se prepararam para ir à igreja. Mas como sempre, deixa-os ir sozinhos e diz:
- Seria hipócrita da minha parte acompanhá-los. Estarei aqui esperando a volta de vocês.

Quando a família saiu, Mogo sentou-se, acendeu a lareira, e começou a ler os jornais. Entretanto, logo foi distraído por um barulho na sua janela, seguido de outro e mais outro...
Achando que era alguém jogando bolas de neve,  pegou seu casaco e saiu, na esperança de dar um susto no intruso.

Assim que abriu a porta, notou um bando de pássaros, que haviam perdido seu rumo por causa de uma tempestade, e agora tremiam na neve. Como tinham notado a casa aquecida, haviam procurado entrar, mas ao se chocarem contra o vidro, machucaram suas asas, e só poderiam voar de novo quando elas estivessem curadas.

"Não posso deixar estas criaturas aí fora" - pensou Mogo. "Como ajudá-las?"
Então, abriu a porta da sua garagem e acendeu a luz. Os pássaros, porém, não se moveram.
"Eles estão com medo" - pensou Mogo.

Tornou a entrar em casa, pegou alguns miolos de pão, e fez uma trilha até a garagem aquecida. Mas a estratégia não deu resultado. Abriu os braços,  tentou conduzi-los com
gritos carinhosos, empurrou delicadamente um e outro, mas os pássaros ficaram mais nervosos ainda, começaram a se debater, andando sem direção pela neve, e gastando inutilmente o pouco de força que ainda possuíam.

Mogo já não sabia mais o que fazer, desesperado gritou:
- Será que não entendem que podem confiar em mim?  Se eu tivesse  uma chance de me transformar em pássaro só por alguns minutos, vocês veriam que eu estou realmente querendo salvá-los!

Neste momento o sino da igreja tocou  anunciando a meia-noite, um dos pássaros transformou-se em anjo, e perguntou a Mogo:
- Agora você entende por que Deus precisava transformar-se em homem?

Com os olhos cheios de lágrimas,  Mogo ajoelhando-se e respondeu:
- Perdoai-me, anjo. Agora eu entendo que só podemos confiar naqueles que se parecem como nós, e passam pelas mesmas coisas que nós passamos.

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

 

 

publicado por momentoskatia às 19:06

 

 

Se não puder ser o maquinista, seja o passageiro mais divertido.

Procure um lugar próximo à janela, desfrute cada uma das paisagens que o tempo lhe oferecer, com o prazer de quem realiza a primeira viagem.

Não se assuste com os abismos, nem com as curvas que não lhe deixam ver os caminhos que estão por vir.

Procure curtir a viagem da vida, observando cada arbusto, cada riacho, beirais de estrada e tons mutantes de paisagem.

Desdobre o mapa e planeje roteiros.

Preste atenção em cada ponto de parada, e fique atento ao apito da partida.

E quando decidir descer na estação onde a esperança lhe acenou, não hesite. Desembarque nela os seus sonhos.

Que a sua viagem pela vida seja de primeira classe!

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

publicado por momentoskatia às 19:03

 

“0 silêncio é um momento vivificante de graça, em que a criatura se cala, mas o espírito fala”

 

Calar sobre sua própria pessoa, é humildade

Calar sobre os defeitos dos outros, é caridade

Calar quando a gente está sofrendo, é heroísmo

Calar diante do sofrimento alheio, é covardia

Calar diante da injustiça, é fraqueza

Calar quando o outro está falando, é delicadeza

Calar quando o outro  espera um palavra, é omissão

Calar e não falar palavras inúteis, é penitência

Calar quando não há necessidade de falar, é prudência

Calar quando Deus nos fala no coração, é silêncio

Calar diante do mistério que não entendemos, é sabedoria

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

publicado por momentoskatia às 18:54

 

 

A vida não me ensinou a dizer adeus às pessoas que eu amo.

A sorrir dos meus desafetos.

A fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade.

A aceitar gratuitamente agressões.

A calar-me  frente a violência de qualquer tipo.

A aceitar meus erros  como inerentes a qualquer ser humano.

A sorrir quando meu desejo é gritar todas as  minhas dores e as dores do mundo.

A ficar alienado diante dos problemas sociais.

A ser hipócrita.

A amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de todas as suas frustrações e desamor.

A ficar em cima do muro.

A fechar meus olhos às injustiças.

A não sentir a lágrima que corre pela minha face diante da dor de alguém que amamos

A perdoar incondicionalmente.

 

Mas a vida me ensinou

 

Algum amor, e que posso amar muito mais.

Algumas alegrias.

Algumas belezas.

Um pouco de poesia.

Ensinou-me algumas vezes a perdoar.

Outras vezes a pedir perdão.

A vida me ensinou a sonhar acordada.

A acordar para a realidade.

A aproveitar cada minuto de felicidade.

Ensinou-me que é bom ter e chorar de saudade.

Ensinou-me a maravilha  que é enxergar, ver e ouvir as estrelas.

A ver o encanto dos poentes.

 

A abrir minhas janelas para o mar.

A ver, perceber as belas paisagens.

Ensinou-me a não ter medo do futuro.

E a viver intensamente o presente.

Como um presente que por ELE me é dado.

Como um diamante a ser por mim lapidado, a lhe dar forma da maneira que eu escolher

A vida me ensinou a sua essência que o amor é o que dignifica, dá sentido colorido e brilho à  nossa existência.

 

*Gláucia Daibert*

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

 

publicado por momentoskatia às 18:51

 

Numa reunião de pais numa escola da periferia, a diretora ressaltava o apoio que os pais devem dar aos filhos e pedia-lhes que se fizessem presentes o máximo de tempo possível.

Considerava que, embora a maioria dos pais e mães daquela comunidade trabalhassem fora, deveriam achar um tempo para se dedicar e entender as crianças.

Mas a diretora ficou muito surpreendida quando um pai se levantou e explicou, com seu jeito humilde, que ele não tinha tempo de falar com o filho, nem de vê-lo, durante a semana, porque quando ele saía para trabalhar era muito cedo e o filho ainda estava dormindo. Quando voltava do trabalho já era muito tarde e o garoto já não estava acordado.

Explicou ainda, que tinha de trabalhar assim para prover o sustento da família, mas também contou que isso o deixava angustiado por não ter tempo para o filho e que tentava se redimir indo beijá-lo todas as noites quando chegava em casa.
E para que o filho soubesse da sua presença, ele dava um nó na ponta do lençol que o cobria. Isso acontecia religiosamente todas as noites quando ia beijá-lo. Quando o filho acordava e via o nó, sabia, através dele, que o pai tinha estado ali e o havia beijado. O nó era o meio de comunicação entre eles.

A diretora emocionou-se com aquela história e ficou surpresa quando constatou que o filho desse pai era um dos melhores alunos da escola.

O fato faz-nos refletir sobre as muitas maneiras das pessoas se fazerem presentes, de se comunicarem com os outros.
Aquele pai encontrou a sua, que era simples mas eficiente. E o mais importante é que o filho percebia, através do nó afetivo, o que o pai estava lhe dizendo.
Por vezes, nos importamos tanto com a forma de dizer as coisas e esquecemos o principal, que é a comunicação através do sentimento.
Simples gestos como um beijo e um nó na ponta do lençol, valiam, para aquele filho, muito mais do que presentes ou desculpas vazias.

É válido que nos preocupemos com as pessoas, mas é importante que elas saibam, que elas sintam isso. Para que haja a comunicação é preciso que as pessoas "ouçam" a linguagem do nosso coração, pois, em matéria de afeto, os sentimentos sempre falam mais alto que as palavras.

É por essa razão que um beijo cura a dor de cabeça, o arranhão no joelho, o medo do escuro. As pessoas podem não entender o significado de muitas palavras, mas sabem registrar um gesto de amor. Mesmo que esse gesto seja apenas um nó num lençol.

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

publicado por momentoskatia às 18:47

 

 

Fui criada com princípios morais comuns.
Quando criança, ladrões tinham a aparência de ladrões e minha única preocupação em relação à segurança era a de que o porteiro do condomínio que eu morava não me encontrasse na área de lazer do prédio depois das 18 horas.

Mães, pais, professores, avós, tios, vizinhos eram autoridades presumidas,dignas de respeito e consideração. Quanto mais próximos, ou mais velhos, mais afeto.  Inimaginável responder deseducadamente a policiais, mestres, aos mais idosos, autoridades. Confiávamos nos adultos porque todos eram pais/mães de todas as crianças do condomínio, da rua, do bairro, da cidade.

Tínhamos medo apenas do escuro, de casas abandonadas e eu particularmente, de filmes de terror. Como é que chegamos num ponto desse?  Antigamente a gente tinha pavor dos militares,  principalmente na época da ditadura. Eles eram linha dura e pegavam mesmo no pé dos bandidos e até em quem não era bandido. Hoje os bandidos com um leve boato fecham todo comércio em segundos.

Ouvindo hoje o Jornal da noite, deu-me uma tristeza infinita por tudo que perdemos. Pelo medo no olhar de crianças, jovens, velhos e adultos. Matar os pais, os avós, violentar crianças,
seqüestrar jovens, roubar, enganar, passar a perna, tudo virou banalidades de notícias policiais, esquecidas após o primeiro intervalo comercial. Agentes de trânsito multando infratores são exploradores, funcionários de indústrias de multas. Policiais em blitz são abuso de autoridade. Regalias em presídios são matéria mostrada na tv com as autoridades dizendo que não podem resolver nada na cara de pau. Direitos humanos para criminosos, deveres ilimitados para cidadãos honestos.

Não levar vantagem é ser otário. Pagar dívidas em dia é bancar o bobo, anistia para os caloteiros de plantão. Ladrões de terno e gravata, assassinos com cara de anjo, pedófilos de
cabelos brancos.

O que aconteceu conosco?

Professores humilhados e mortos em salas de aula, grades em nossas portas e janelas. Crianças morrendo de fome, gente com fome de morte. Que valores são esses? Carros que valem mais que abraço, filhos querendo-os como brindes por passar de ano.
Celulares nas mochilas dos que recém largaram as fraldas.
TV, DVD, telefone, vídeo game, o que vai querer em troca desse abraço, meu filho? Mais vale uma marca de roupa que um diploma.
Mais vale um telão do que um papo. Mais vale um baseado do que um sorvete. Que lares são esses? Bom dia, boa noite, até mais.
Jovens ausentes, pais ausentes, droga presente e o presente uma droga.

Quando foi que tudo sumiu ou virou ridículo?
Quando foi que senti compaixão pela última vez? Quando foi que lembrei o nome do meu
vizinho? Quando foi que olhei nos olhos de quem me pede roupa, comida, calçado sem sentir medo? Quando foi que fechei a janela do meu carro? Quando foi que me fechei?

Quero de volta a minha dignidade, a minha paz e o lugar onde o bem e o mal são contrários, onde o mocinho vence o bandido e o único medo é de quem infringe, de quem rouba e mata. Quero de volta a ordem e progresso.
Quero liberdade com segurança.
Quero tirar as grades da minha janela para tocar as flores.
Quero sentar na calçada, e minha porta aberta nas noites de verão.
Quero a honestidade como motivo de orgulho.
Quero a cara limpa e o olho no olho. Quero a vergonha, a solidariedade e a certeza do futuro.
Quero a esperança, a alegria.
Quero sangue num banco de sangue e não numa partida de futebol.
Quero ser gente e não peça de um jogo manipulado por TV a cabo.
Quero a notícia boa,  a descoberta da vacina, a plantação para todos.
Quero ver os colonos na terra, as crianças no colégio, os jovens divertindo-se de uma maneira sadia, os velhinhos contando histórias.
Quero um emprego decente, um salário condizente, uma oportunidade a mais.
Quero uma casa para todos, comida na mesa, saúde a mil.
Quero livros e cachorros e sapatos e água limpa.

Não quero listas de animais em extinção.  Não quero clone de gente, quero cópia das letras de música. Eu quero voltar a ser feliz!
Quero dizer basta a esta inversão de valores e ideais.
Quero xingar quem joga lixo na rua, quem fura a fila, quem rouba uma caneta, quem ultrapassa a faixa, quem não usa cinto, quem não paga as suas contas por safadeza, quem não dignifica meu voto. Quero rir de quem acha que precisa de silicone, lipoaspiração, implante, regime, cirurgia plástica, carro zero e quem sabe até um "importadinho", laptop, bolsa XYZ, calça ZYX para se sentir inserido no contexto ou ser "normal".

E viva o retorno da verdadeira vida, simples como uma gota de chuva, limpa como um céu azul, leve como a brisa da manhã!

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

publicado por momentoskatia às 18:43

 

 

- Oi, me conta como foi o encontro de ontem a noite.
- Horrível, não sei o que aconteceu....
- Mas por que? Não te deu nem um beijo?
- Sim... beijar, me beijou. Mas me beijou tão forte que meu dente postiço da frente caiu e as lentes de contato verdes saltaram dos meus olhos...
- Não me diga que terminou por aí?
- Não, claro. Depois pegou no meu rosto entre suas mãos, até que tive que pedir que não o fizesse mais, porque estava achatando o botox e me mordia os lábios como se fossem de plástico... ia explodir o meu implante de colágeno e quase sai o mega hair!
- E não tentou mais nada?
- Sim, começou a acariciar minhas pernas e eu o detive, porque lembrei que não tive tempo para me depilar. E além do mais, me arrebatou com uma luxúria e estava me abraçando tão forte que quase ficou com minhas próteses da bunda nas suas mãos e estourou meu silicone do peito...
- E depois, que aconteceu?
- Aí então, começou a tomar champagne no meu sapato...
- Ai, que romântico!
- Romântico o ca...! Ele quase morreu!
- E por quê ?
- Engoliu meu corretor de joanete com a palmilha do salto...
- Nossa, que ele fez ?
- Você acredita que ele broxou e foi embora? Acho que ele é viado.
- Só pode!

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

publicado por momentoskatia às 18:40

 

Certa vez alguém chegou no céu e pediu pra falar com Deus porque, segundo o seu ponto de vista, havia uma coisa na criação que não tinha nenhum sentido.
Deus o atendeu de imediato, curioso por saber qual era a falha que havia na Criação.
- Senhor Deus, sua criação é muito bonita, muito funcional, cada coisa tem sua razão de ser. Mas no meu ponto de vista, tem uma coisa que não serve para nada.
- E que coisa é essa que não serve para nada? - perguntou Deus.
- É o horizonte. Para que serve o horizonte?  Se eu caminho um passo em direção ao horizonte, ele se afasta um passo de mim. Se caminho dez passos, ele se afasta outros dez passos.  Se caminho quilômetros em direção ao horizonte, ele se afasta os mesmos quilômetros de mim... Isso não faz sentido!  O horizonte não serve pra nada.
Deus olhou para aquela pessoa, sorriu e disse:
- Mas é justamente para isso que serve o horizonte...
"para fazê-lo caminhar"

Fonte:  http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

 

 

 

 

publicado por momentoskatia às 18:37

 

 

Uma tarde, muito desconsolada e triste, a verdade encontrou a Parábola, que passeava alegremente, num traje belo e muito colorido.
- Verdade, porque estás tão abatida?  - perguntou a Parábola.
- Porque devo ser muito feia já que os homens me evitam tanto!
- Que disparate! - riu a Parábola - não é por isso que os homens te evitam. Toma, veste algumas das minhas roupas e vê o que acontece.

Então a Verdade pôs algumas das lindas vestes da Parábola e de repente, por toda à parte onde passava era bem vinda.
- Pois os homens não gostam de encarar a Verdade nua. Eles a preferem disfarçada.

(Conto Judaico)

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

 

 

publicado por momentoskatia às 18:33

 


 
Que crescer não significa fazer aniversário
Que o silêncio é a melhor resposta, quando se ouve uma bobagem
Que trabalhar significa não só ganhar dinheiro
Que amigos a gente conquista mostrando o que somos
Que os verdadeiros amigos sempre ficam com você até o fim
Que a maldade se esconde atrás de uma bela face
Que não se espera a felicidade chegar, mas se procura por ela
Que quando penso saber de tudo ainda não aprendi nada
Que a natureza é a coisa mais bela na vida
Que amar significa se dar por inteiro
Que um só dia pode ser mais importante que muitos anos
Que se pode conversar com estrelas
Que se pode confessar com a lua
Que se pode viajar além do infinito
Que ouvir uma palavra de carinho faz bem à saúde
Que dar um carinho também faz...
Que sonhar é preciso
Que se deve ser criança a vida toda
Que nosso ser é livre
Que Deus não proíbe nada em nome do amor
Que o julgamento alheio não é importante
Que o que realmente importa é a Paz interior
E finalmente, aprendi que não se pode morrer, pra se aprender a viver...

 

Fonte: http://www.regina.blog.trix.net/index.asp?op=1&PaginaAtual=1&Categoria=0

 

publicado por momentoskatia às 18:30



- Como foi sua transa ontem?

- Uma catástrofe! Meu marido chegou do trabalho, jantou em 3 minutos, depois tivemos sexo durante 4 minutos e após 2 minutos, ele já estava dormindo! E sua transa, como foi?

- Foi fantástica! Meu marido chegou em casa levou-me para jantar fora e depois passeamos à pé, durante 1 hora até voltarmos para casa. Após 1 hora de preliminares à luz de velas, fizemos sexo durante 1 hora e, no fim, ainda conversamos durante mais 1 hora!

Os dois maridos conversando:



- Como foi tua trepada ontem?

- Foi fantástica! Cheguei em casa e o jantar estava na mesa; jantei, dei uma rapidinha e dormi feito pedra! E a sua?

- Uma catástrofe! Cheguei em casa e tinha parado a força. Tive que levar minha mulher para jantar fora. A comida foi uma porcaria e caríssima, tão cara que fiquei sem dinheiro para pagar o táxi de volta. Tivemos de voltar a pé, chegamos em casa e como ainda não tinha eletricidade, fomos obrigados a acender velas! Eu estava tão estressado que precisei de 1 hora para fazer o bicho levantar e mais outra para conseguir gozar. Fiquei tão irritado que perdi o sono e tive de aguentar mais uma hora de conversa fiada.

publicado por momentoskatia às 18:16


Um menino tinha uma cicatriz no rosto e as crianças e adultos de seu colégio não falavam com ele e nem sentavam ao seu lado,
na realidade quando os colegas de seu colégio o viam franziam a testa devido à cicatriz ser muito feia.

Então a turma se reuniu com o professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não freqüentasse mais o colégio, o professor levou o caso à diretoria do colégio.

A diretoria ouviu e chegou à seguinte conclusão:

Que não poderia tirar o menino do colégio, e que conversaria com o menino e ele seria o ultimo a entrar em sala de aula, e o primeiro a sair, desta forma nenhum aluno via o rosto do menino, a não ser que olhassem para trás.

O professor achou magnífica a idéia da diretoria, sabia que os alunos não olhariam mais para trás.

Levado ao conhecimento do menino da decisão ele prontamente aceitou a imposição do colégio, com uma condição: Que ele compareceria na frente dos alunos em sala de aula, para dizer o por quê daquela CICATRIZ.

A turma concordou, e no dia o menino entrou em sala dirigiu-se a frente da sala de aula e começou a relatar:
- Sabe turma eu entendo vocês, na realidade esta cicatriz é muito feia, mas foi assim que eu a adquiri... Minha mãe era muito pobre e para ajudar na alimentação de casa minha mãe passava roupa para fora, eu tinha por volta de 7 a 8 anos de idade...

A turma estava em silencio atenta a tudo .

O menino continuou: além de mim, haviam mais 3 irmãozinhos, um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha com apenas alguns dias de vida.

Silêncio total em sala.

-... Foi aí que não sei como, a nossa casa que era muito simples, feita de madeira começou a pegar fogo, minha mãe correu até o quarto em que estávamos pegou meu irmãozinho de 2 anos no colo, eu e meu outro irmão pelas mãos e nos levou para fora, havia muita fumaça, as paredes que eram de madeira, pegavam fogo e estava muito quente...
Minha mãe colocou-me sentado no chão do lado de fora e disse-me para ficar com eles até ela voltar, pois minha mãe tinha que voltar para pegar minha irmãzinha que continuava lá dentro da casa em chama. Só que quando minha mãe tentou entrar na  casa em chamas as pessoas que estavam ali, não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha, eu via minha mãe gritar:
- " Minha filhinha está lá dentro!"
Vi no rosto de minha mãe o desespero, o horror e ela gritava, mas aquelas pessoas não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha... Foi aí que decidi. Peguei meu irmão de 2 anos que estava em meu colo e o coloquei no colo do meu irmãozinho de 4 anos e disse-lhe que não saísse dali até eu voltar.

Saí de entre as pessoas, sem ser notado e quando perceberam eu já tinha entrado na casa.
Havia muita fumaça, estava muito quente, mas eu tinha que pegar minha irmãzinha. Eu sabia onde ela estava.
Quando cheguei lá ela estava enrolada em um lençol e chorava muito... Neste momento vi caindo alguma coisa, então me joguei em cima dela para protegê-la, e aquela coisa quente encostou-se em meu rosto...
A turma estava quieta atenta ao menino e envergonhada então o menino continuou:
Vocês podem achar esta CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que acha linda e todo dia quando chego em casa, ela, a minha irmãzinha me beija porque sabe que é marca de AMOR.

Vários alunos choravam, sem saberem o que dizerem ou fazerem, mas o menino foi para o fundo da classe e imovelmente sentou-se.

Para você que leu esta história, queria dizer que o mundo está cheio de CICATRIZ.

Não falo da CICATRIZ visível mas das cicatrizes que não se vêem, estamos sempre prontos a abrir cicatrizes nas pessoas,
seja com palavras ou nossas ações.

Há aproximadamente 2000 anos JESUS CRISTO, adquiriu algumas CICATRIZES em suas mãos, seus pés e sua cabeça.
Essas cicatrizes eram nossas, mas Ele, pulou em cima da gente, protegeu-nos e ficou com todas as nossas CICATRIZES..

Essas também são marcas de AMOR.

Jesus te ama, não por quem você é, mas sim pelo que você é, e para Jesus você é a pessoa mais importante deste mundo.

Nunca se esqueça disso!

publicado por momentoskatia às 18:08

Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
24
25

27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO