15
Nov 21

capa-5-2.jpg

O vocábulo etiqueta é de origem francesa e se originou da palavra etiquette. De acordo com o Minidicionário Aurélio são atribuídas a este termo as seguintes definições:

  1. Conjunto de cerimônias usadas na corte ou na casa dum chefe de Estado;
  2. Formas cerimoniosas do trato social; formalidade, protocolo;
  3. Rótulo posto sobre algo para designar o que é ou o que contém.

 

Histórico

As normas de etiqueta surgiram da necessidade do homem de viver em sociedade e tiveram seu apogeu, no século XVII, na corte de Luís XIV, que se auto - proclamou Rei Sol e declarou o Estado sou eu! (L'etat c'est moi!). Ele distribuía aos nobres, que faziam parte da sua corte, bilhetes/etiquetas ensinando-os como se comportar, onde se sentar, dentre outras coisas. Na verdade, nesta época essa prática era uma forma de padronizar o comportamento da nobreza, ou seja, o comportamento era a confirmação do prestígio que o indivíduo possuía. A prática da etiqueta consiste, em outras palavras, numa auto apresentação da sociedade de corte. Através dela, cada indivíduo, e antes de todos o rei, tem o seu prestígio e a sua posição de poder relativa confirmados pelos outros.

A opinião social que forja o prestígio dos indivíduos se expressa através do comportamento de cada um em relação ao outro, dentro de um desempenho conjunto que segue determinadas regras. (ELIAS, 1995, p.240) A sociedade de corte citada no trecho anterior diz respeito aqueles que frequentavam a corte, mas ainda assim dependiam do rei, pois o fato de pertencerem a ela não garantia a permanência nela. E, por isso a vida na corte não era amigável, pois a todo tempo os nobres lutavam por prestígio o que gerava inúmeras intrigas e escândalos, sendo a etiqueta usada, na verdade, como um instrumento de dominação e não de mera distinção, como podemos perceber neste trecho escrito pelo próprio Luís XIV em suas Memórias (II, 15), citado por Norbert Elias (1995, p.132-133): “Estão grandemente enganados aqueles que imagina tratar-se aí apenas de questões de cerimônia. Os povos sobre os quais reinamos, não podendo penetrar o fundo das coisas, pautam em geral seu julgamento pelo que veem exteriormente, e o mais frequentemente é pelas primazias e posições que medem seu respeito e sua obediência. Como é importante para o público ser governado apenas por um único, também é importante para ele que este que exerce essa função seja elevado de tal maneira acima dos outros que não haja ninguém que possa confundir ou comparar-se com ele, e podemos, sem sermos injustos para com o corpo do Estado, retirar-lhe as menores marcas de superioridade que o distingue dos membros.”

Contudo, Luís XIV não foi o criador nem do cerimonial e muito menos da etiqueta, pois já no século XIII eram escritos poemas sobre as regras de boas maneiras, principalmente a mesa, como se pode observar nos poemas abaixo: Tannhäuser sobre as boas maneiras corteses.

1-Considero homem bem educado aquele que sempre pratica boas maneiras e nunca se mostra grosseiro.

2-Há muitas formas de boas maneiras e elas servem a muitos bons fins. O homem que as adota nunca erra.

25-Quando comes, não esqueças os pobres. Deus te recompensará se os tratares bondosamente.

33-Um homem refinado não deve arrotar na colher quando acompanhado. É assim que se comportam pessoas na corte que praticam má conduta.

37-Não é polido beber no prato, embora alguns que aprovam esse grosseiro hábito insolentemente levantem o prato e o sorvam como se fossem loucos.

41-Os que caem sobre os pratos como suínos quando comem, bufando repugnantemente e estalando os lábios... De Ein spruch der zé tische kêrt (Uma palavra àqueles à mesa):

313-Não deves beber no prato. Com uma colher é correto.

315-Os que se levantam e fungam repugnantemente sobre os pratos, como se fossem suínos, pertencem à classe dos animais do campo.

319-Bufar como um salmão, comer voraz e ruidosamente como um texugo e queixar-se enquanto come - eis três coisas inteiramente indecorosas. (ELIAS, 1993, p.96) E no século XVI surgiram os tratados de boas maneiras que nesta época não era um instrumento de dominação, mas apenas de distinção, pois na Idade Média as regras de boas maneiras pertenciam à alta sociedade e eram muito semelhantes, em sua essência, em diferentes países, apesar de estes possuírem diferentes tradições.

O Comportamento a Mesa e o Uso dos Utensílios

Certos costumes hoje seguidos não apareceram de uma hora para outra e nem foram inventados por um simples acaso. Quem nunca se questionou de onde surgiu tal comportamento ou por que agimos de tal maneira em determinados lugares? As regras de boas maneiras a mesa, na Idade Média, estavam baseadas no que se podia ou não fazer, por exemplo, não podia arrotar, não podia pegar a comida com as mãos (esta obviamente foi criada depois que os talheres foram inventados), não se admitia assuar na toalha nem ser barulhento a mesa, dentre várias outras.

No que diz respeito ao uso de utensílios, Norbert Elias (1993, p.105) descreve: "A mesa você deve usar guardanapo, prato, faca, colher e garfo. Seria inteiramente contrário ao bom tom dispensar um desses utensílios." Isto quer dizer que depois de criados, os utensílios jamais deveriam ser dispensados, pois cada um deles tinha uma finalidade e uma forma de uso: O guardanapo que é posto sobre o prato, tendo a finalidade de preservar de manchas e outras sujeiras inseparáveis de refeições, deve ser colocado sobre a pessoa de modo que cubra a parte fronteira do corpo até os joelhos, passando sob a gola, mas não por dentro dela. A colher, garfo e faca devem sempre ser colocados à direita. A colher destina-se a ingestão de líquidos e o garfo para pegar carnes sólidas. (ELIAS; Norbert, 1993, p.107). Apesar de existirem muitas regras de boas maneiras, nesta época a forma como as pessoas se sentavam ou apoiavam os cotovelos na mesa não era relevante, ou seja, não existiam regras para isso, cada um se senta da maneira que deseja e é assim também com os cotovelos.

Atualmente, ainda é dada muita importância para estas regras de etiqueta, tanto que ela não é mais utilizada somente pela alta sociedade, pois, ainda que minimamente, todos conhecem um pouco destas regras, ainda que as mais simples, como a de não falar de boca cheia. Porém ocorreram algumas modificações, dentre elas, a disposição dos talheres, a atenção que é despendida para a maneira como a pessoa se senta e como apoia os cotovelos e, além disso, foram criadas novas regras como a que diz: sempre - talvez - nunca, que consiste no seguinte:

  1. Sempre - deve-se apoiar somente os pulsos na beira da mesa, mantendo o braço o mais próximo possível do corpo
  2. Talvez - pode-se apoiar os braços na beira da mesa;
  3. Nunca - coloque os cotovelos sobre a mesa

Quanto ao manuseio dos talheres, segundo Ribeiro (1997, p. 70-74) deve ser feita da seguinte maneira: [...]

Pega-se a faca com os dedos polegar e indicador, e o médio no cabo, como quem pega uma caneta, evitando colocar o dedo na lâmina

Quando se come só com o garfo, ele fica com a parte côncava para baixo, segura-se com a mão direita fechada, o dedo médio como apoio do polegar e o indicador firmando o cabo

Ao cortar a carne, o garfo na mão esquerda fica com a parte côncava para cima e segura-se como se fosse uma caneta, o dedo indicador acima do cabo. É a única maneira correta de pegá-lo para esta operação

Se forem usados simultaneamente com a colher, ele fica na mão esquerda, serve apenas para firmar. Ajuda a colocar o alimento na colher e esta que é levada à boca. [...]

Jamais se leva a faca à boca. [...]

Segura-se a colher com a mão direita, pela parte mais elevada do cabo e não junto à base. Ela deve ser levada à boca sempre pela lateral, evitando-se a ponta, como faziam antigamente. Este é um dos exemplos mais simples que a etiqueta absorve em sua evolução. [...]

Os talheres, em descanso, não devem ficar com os cabos apoiados na mesa, mas no prato, o garfo com a parte côncava para cima

Não se gesticula com um talher na mão.

Quando se descansam os talheres, garfo e faca ficam dentro do prato, em diagonal, garfo à esquerda e faca à direita, sem apoiar os cabos na mesa. [...]

Recomenda-se que as pessoas canhotas usem os talheres como estão habituadas. É deselegante, porém, num jantar de cerimônia, o canhoto, ao sentar, trocar logo o lado dos talheres na mesa, antes de começar a comer. A atitude será tomada discretamente.

Dicas de Comportamento a Mesa

Abaixo seguem algumas regras de etiqueta que são frequentemente utilizadas na atualidade:

Não é elegante palitar os dentes à mesa;

Não gesticular à mesa e muito menos quando estiver segurando um talher;

O aparelho celular deve estar desligado na hora da refeição;

Não se sentar muito perto da mesa, nem muito afastado;

Não mudar os utensílios de lugar;

Não utilize facas para comer massas. Utilize um garfo;

O guardanapo é posto no colo.

 

Fonte: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/iniciacao-profissional/etiqueta-da-idade-media-a-contemporanea/21233

publicado por momentoskatia às 18:37

Novembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO